terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Cecília Meireles

Canção mínima 

No mistério do Sem-Fim,
equilibra-se um planeta.

E, no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro;
no canteiro, uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,

entre o planeta e o Sem-Fim,
a asa de uma borboleta. 

Do Livro :
Vaga música. Pongetti,
Rio de Janeiro, 1942. 

domingo, 29 de dezembro de 2013


Depois de ter girado um pouquinho, 
as vezes tenho a sensação que a Vida 
é uma grande Roda Gigante. 

Acho que na média damos três ou quatro voltas significativas (certamente uns mais, outros menos).

Nesses momentos mais importantes somos testados com o que aprendemos nas voltas anteriores,
a famosa " Hora da verdade " .

Sinto que a vida é assim mesmo. 
Alguns resolvem parar, 
ou por algum impedimento, 
ou por estarem cansados, 
ou simplesmente para saborear o prazer de voltear sem objetivos e com menos objetos.

Alguns desprezam o aprendizado das voltas 
e acham que são maiores do que a Roda Gigante.
Ao Final são engolidos por ela !!!

Alguns acham que nada podem fazer... 
e aí a Roda Gigante continua no seu girar 
sem se preocupar com as emoções das omissões.
Aproveitemos os giros e giradas … 
para melhorarmos a cada volta !!!




Esses seus cabelos brancos, bonitos
Esse olhar cansado, profundo
Me dizendo coisas, um grito
Me ensinando tanto, do mundo...
E esses passos lentos, de agora
Caminhando sempre comigo
Já correram tanto na vida
Meu querido, meu velho, meu amigo

Sua vida cheia de histórias
E essas rugas marcadas pelo tempo
Lembranças de antigas vitórias 
Ou lágrimas choradas ao vento
Sua voz macia me acalma 
E me diz muito mais do que eu digo
Me calando fundo na alma
Meu querido, meu velho, meu amigo

Seu passado vive presente
Nas experiências contidas
Nesse coração consciente
Da beleza das coisas da vida
Seu sorriso franco me anima 
Seu conselho certo me ensina
Beijo suas mãos e lhe digo
Meu querido, meu velho, meu amigo

Eu já lhe falei de tudo,
Mas tudo isso é pouco
Diante do que sinto...
Olhando seus cabelos tão bonitos,
Beijo suas mãos e digo
Meu querido, meu velho, meu amigo





sábado, 28 de dezembro de 2013

MAS QUE NADA - Sergio Mendez and Brazil 66

Thursday, November 29, 2012

Why Are Writers' Egos So Fragile?

Usually I try to do a Did You Know on Wednesdays, but I haven't been reading any weird or unusual history lately. I haven't really been reading at all and I'm grouchy during my withdrawls. You've been warned.

This morning I came across a blog You Light Up My Life which intrigued me, not only with the content, but the fact that it is still garnering comments after three years. Writers are so sensitive about critiques (and determined in some ways to take all comments the wrong way if possible). I'm guilty here, I had a writer friend who was wonderfully encouraging. I'd smile and thank him. I figured he was one of those people so many blogs warn about, you know, the ones who will prop you up even when your story is sadly lacking? Oh, he always made corrections, but he also always praised my story. Then I submitted to various magazines. While I didn't sell any of the stories, the editors were all nice and their comments sounded a lot like my friends. One editor had kept the story for almost six months before returning it. She couldn't use it, and I knew that. It didn't quite suit the publication and it was too short (my opinion, not hers). But at the end of the day, I had tossed off legitimate compliments, giving them little merit, because I knew I wasn't a good writer.

I found it unsurprising that comments to the above blog were almost solely focused on family, mostly parents. I couldn't help but wonder if writers so desperately want parental approval that they are willing to put on reality blinders as they plunge forward seeking encouragement. I mean, we all know our parents. I wouldn't ask either one of mine to read my novel. My dad, who rarely reads anything fictional, would read my book if I asked. He would try to encourage me in his way. My mom (who I got my reading habit from, if it is a habit and not genetic) would also read my novel, just because I ask. My mom reads crime/ thriller/ horror/ suspense type books. She hasn't ever, to my knowledge, read fantasy.  I could easily see her being encouraging. Not because she liked the book. A waste of time on both our parts.

Bottom line, I think most writers have only one issue: they're different and most times in a weird way. Writers seek approval, not for their actual work, but as a confirmation they aren't that different and they aren't too weird. I read a blog by a known mystery author who rarely told anyone what she does for a living, because she spends 75% of her time thinking of unique and creative ways to kill people. What normal person does that? I also read a book by a science fiction author who'd been asked if he wanted to have sex with aliens, because he wrote sex scenes with aliens. And who knows how many readers suspect Stephen King has bodies buried in his back yard?

Writers are different, like most artists and it seems like the general public wants to keep them on the fringe, while secretly gobbling up their stories. Because, readers don't want to be seen as different either. How many people admit to reading romance novels? Yet they are the biggest selling genre out there. How many readers will recommend a book, then comment on how it had some literary merit, while ignoring the extraordinary or off-color aspects of the book.

So how do writers overcome being different? Embrace it. I know I'm different. I know I'm weird. I know I have voices in my head that constantly demand their story be told. I also know, according to society, if I wasn't a writer those same voices would land me in a mental institution. Who cares? I have a gift and that's how I look at it. I can find a story walking down the street. Most people can't do that. I can create worlds that seem real and then populate the worlds with people that readers can connect with. Most people can't do that either.

There's one author I admire for letting it all go, Stephanie Meyer. This writer has been heckled and hassled since she put out her series. Oddly, the heckling didn't start until her books were popular. But here are a few examples of the complaints against the writer. Some things other writers should study and prepare themselves for, because if they find a random comment from their parents crippling, then they need to rethink actually publishing an entire novel for public consumption.

First, sparkly vampires who are good-natured. When I first heard about the idea I thought it was great. She wrote a book based, not on throat ripping creatures SO done already, but a story about people with an affliction they don't want and try to overcome. It's a unique take on an old theme with a built in struggle between good and evil and automatically I'm rooting for them.

Next, even more oddly, the writers religion. Unfortunately, the writers religion, while not mentioned once in the actual book, draws even more condemnation from authors and the public alike. How dare she write about the struggles of good and evil, moral and immoral or even the choice of right and wrong? A totally unfair attack because every novel worth its salt is based on some internal, and often external, struggle of what the protagonist thinks is right or wrong and the choices they make accordingly.

Addressing Harry Potter fans, who appear to be disappointed because the story wasn't about a wizard going to school, is hardly worth mentioning. Potter was geared to young males and hit the target audience admirably. You don't see Twilight fans complaining that the main character was male in Harry Potter (although maybe they should but that's a whole different post). Get over it guys, Twilight was geared for girls and if you don't like it, don't read it (and I suspect most of these complaints come from those who didn't actually read the series).

Anyhow, my biggest pet peeve complaint: bad writing. Now I read this series for two reasons, the first because my teen daughter liked them and I wanted to know what she was reading, and second because I was starting a YA fantasy novel so I thought I should see what was on the YA market. At first I thought a lot of it was cheesy which is not the same as bad writing. Then I stepped back and looked at it as a writer. She had captured the female YA audience like few others up to that point. She connected with her target audience in a way most writers only hope to do. I wondered why this series drew so much criticism. Then it hit me. Jealousy. The more negative comments I read the madder I got. Not because they said she wrote poorly, but because people were inadvertently putting down a writer for writing at the level of their audience. If she wasn't addressing adults, on an adult level, then she wasn't really a writer. It's demeaning. And it's not just demeaning to the writer, but the readers as well. Society cries out about illiteracy, yet they put down those who would write an interesting tale to the younger audiences? Why even bother publishing toddler books or elementary level books? People who write those aren't 'real' writers. Their stories aren't worth the paper they're printed on. But instead of being proud that an author helped thousands develop a passion for reading (my daughter included), people complain because the series isn't a literary masterpiece (was it intended to be?).

No, Encyclopedia Brown will never be able to compete with Hemingway, but a first grader isn't going to read Hemingway are they? And if Mr. Brown kindles a passion for reading in the first grader (like he did with me), then that one child will grow up to appreciate mainstream authors who've been so condemning. And maybe, just maybe, that child will write a book geared toward a younger generation in hopes of inspiring others to discover the joys of reading.

Now I'll climb down from my soap box and just say that writers should pursue their work with the passion that inspired their first story, their first idea of a story. Quit worrying about approval, it's out there and there are thousands of readers waiting to be taken away by your tale. Quit worrying about disapproval, it's out there too, because of jealousy, lack of understanding, lack of compassion, or some pompous reviewer who thinks they know better than most of the population what good or bad writing is. You have to tell the story the voices ask you to tell. They don't start out by saying 'tell my story because your dad will like it' or 'because Cousin Jane will relate to me' or 'because your best friend Dave once said he'd like to read a story like mine'. The voices start out with 'You won't believe what happened at school today' or 'Can you believe our ship is under attack?'. Follow the voice, tell the tale, and then let it, along with all the comments, go their way. And count yourself lucky if you can relate to your target audience no matter how large or small and regardless of their age or maturity.

Personal Note - Yes, I own all the Twilight books and movies. But, yes, I also own all the Harry Potter books and movies. And, again, yes, I've read and watched them all.

Aquarela do Brasil - Francisco Alves 1939

Aquarela do Brasil (Brazil ou Aquarela brasileira)
Ary Barroso - 1939

Meu Brasil brasileiro
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos
Ô Brasil, samba que dá
Bamboleio que faz gingar
Ô Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim

Ah, abre a cortina do passado
Tira a Mãe Preta,do serrado
Bota o Rei Congo, no congado
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim
Deixa, cantar de novo o trovador
A merencória luz da lua
Toda canção do meu amor
Quero ver a Sa Dona, caminhando
Pelos salões arrastando
O seu vestido rendado
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim
Terra boa e gostosa
Da morena sestrosa
De olhar indiscreto
Ô Brasil, samba que dá
Bamboleio, que faz gingar
Ô Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim
Oh, esse coqueiro que dá coco
Onde eu amarro a minha rede
Nas noites claras de luar
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim
Ah, ouve essas fontes murmurantes
Aonde eu mato a minha sede
E onde a lua vem brincar
Ah, este Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil, brasileiro
Terra de samba e pandeiro
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim

Garganta - Ana Carolina

Cassia Eller - Na Cadência do Samba Ao Vivo (HD)

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

KARL BRYULLOV (1799-1852)


Karl Bryullov was born on December, 12th (23), 1799 in St. Petersburg, in a family of the academician, the woodcarver and engraver Pavel Ivanovich Briullo (Brulleau, 1760—1833). He felt drawn to Italy from his early years. Despite his education at the Imperial Academy of Arts (1809–1821), Bryullov never fully embraced the classical style taught by his mentors and promoted by his brother, Alexander Bryullov. After distinguishing himself as a promising and imaginative student and finishing his education, he left Russia for Rome where he worked until 1835 as a portraitist and genre painter, though his fame as an artist came when he began doing historical painting.
His best-known work, The Last Day of Pompeii (1830–1833), is a vast composition compared by Pushkin and Gogol to the best works of Rubens and Van Dyck. It created a sensation in Italy and established Briullov as one of the finest European painters of his day. After completing this work, he triumphantly returned to the Russian capital, where he made many friends among the aristocracy and intellectual elite and obtained a high post in the Imperial Academy of Arts.
An anecdote concerning Briullov appeared in Leo Tolstoy's essay "Why Do Men Stupefy Themselves?".
While teaching at the academy (1836–1848) he developed a portrait style which combined a neoclassical simplicity with a romantic tendency that fused well, and his penchant for realism was satisfied with an intriguing level of psychological penetration. While he was working on the plafond of St Isaac's Cathedral, his health suddenly deteriorated. Following advice of his doctors, Briullov left Russia for Madeira in 1849 and spent the last three years of his life in Italy. He died in the village of Manziana near Rome and is buried at the Cimitero degli Inglesi there.



Da sempre imperdível Lucília Garcez.


Nem sempre a leitura, especialmente a de narrativas, apresentou as características e as funções que tem para o homem contemporâneo. Mitos, lendas, narrativas folclóricas, contos orais populares procuraram em sua essência dar uma interpretação do mundo, mas sua utilização, a maneira como foram conservados e transmitidos assumiu diversas configurações. O historiador Robert Darnton ( in O grande massacre dos gatos), a partir de informações do lingüista e etnológo A.L.Becker, revela que nos ritos mortuários de Bali a leitura de narrativas tem um papel mítico, sagrado, essencial:
“Quando os balineses preparam um cadáver para ser enterrado, lêem histórias uns para os outros, histórias comuns, de coleções de seus contos mais familiares. Lêem sem parar, vinte e quatro horas por dia, durante dois ou três dias sem parar, não porque precisem de distração, mas por causa do perigo do demônio. Os demônios apoderam-se das almas durante o período vulnerável imediatamente após a morte, mas as histórias os mantêm afastados. Como as caixas chinesas ou as sebes labirínticas dos jardins ingleses, as histórias contêm contos dentro de contos, de maneira que se entra por um e vai-se dar em outro, passando de uma trama para a outra cada vez que se vira uma esquina até, afinal, alcançar o núcleo do espaço narrativo que corresponde ao espaço ocupado pelo cadáver dentro do pátio interno da casa. Os demônios não conseguem entrar nesse espaço, porque não sabem dobrar as esquinas Batem as cabeças inutilmente contra o labirinto narrativo que os leitores construíram e, assim, a leitura fornece uma espécie de fortificação, de defesa. Cria uma muralha de palavras (...) que pela imbricação da narrativa e a cacofonia do som, protege as almas.” (Darnton, 1986)
Aqui a narrativa é salvação, como foi salvação também para Sherazade que escapa da morte pelo poder sedutor e encantatório dos contos das Mil e Uma Noites.
De cultura para cultura, de época para época, tanto a função da leitura como a maneira de ler vai se transformando. Na história da humanidade, desde muito antes da invenção da imprensa, desde a antiguidade clássica, os textos literários, passados oralmente de geração a geração ou manuscritos, serviram a diversos fins e foram utilizados de diversos modos. Sobreviveram a incríveis ameaças de apagamento e destruição e, por muitas vezes, tiveram que ser protegidos incansavelmente, mesmo quando já impressos.
Em nossa cultura racional e objetiva lemos para aprender, para nos qualificarmos, para nos informarmos, para saber de onde viemos, para saber quem somos, para escapar da solidão, para conhecer melhor os outros, para saber para onde vamos, para conservar a memória do passado, para esclarecer nosso presente, para aproveitar as experiências anteriores, para não repetir os erros dos nossos ancestrais,para ganhar tempo, para nos evadirmos, para buscar um sentido para a vida, para compreender os fundamentos da nossa civilização, para alimentar nossa curiosidade, para nos distrairmos, para vivenciar emoções alheias ao nosso cotidiano, para nos cultivarmos, para exercer nosso espírito crítico, para usufruir um prazer estético com a linguagem. Enfim, para participarmos de uma corrente de construção e circulação de sentidos e interpretações do mundo pela palavra que atravessa os milênios.
Qualquer que seja a maneira de ler ou o objetivo explícito da leitura, pode-se vislumbrar um vestígio daquela espécie protetora de muralha balinesa de palavras. Muralha de resistência a todas as contingências massacrantes da condição humana: sociais, profissionais, psicológicas, afetivas, ideológicas, culturais. Proteção que nos salva de tudo, até de nós mesmos, pois nos liberta, nos permite a transcendência, a superação das limitações históricas; a descoberta do outro e de nós mesmos, a organização do caos interior. Proteção que delimita um espaço de reflexão e de emancipação do espírito por meio da interpretação simbólica. A leitura é, assim, o espaço de liberdade por excelência, pois lida com o pensamento e o imaginário que são, por natureza, sem fronteiras, sem limites, e proporciona uma forma de felicidade. A leitura é também um espaço de liberdade porque o leitor lê o que quer, quando quer, onde quer, no ritmo que quer.
Entretanto, para usufruir o direito à leitura é necessário passar de forma bem sucedida pelo processo de alfabetização. Estima-se que no Brasil apenas 30% da população adulta tenha desenvolvido todas as habilidades essenciais para ler de forma competente e plena. Os outros 70% estão distribuídos entre os vários graus que vão do analfabetismo total ao analfabetismo funcional. Considerar que um alfabetizado é aquele que lê e escreve um bilhete simples não é mais suficiente para as exigências do mundo contemporâneo. Quem está nesse nível não tem condições de desempenhar as funções mais elementares do mundo do letramento, tais como: ler histórias para os filhos; seguir uma receita culinária; ler jornais e revistas; compreender instruções de segurança ou de uso de equipamentos e produtos; reconhecer informações em rótulos; preencher formulários; entender as informações de contas de luz, água e outras; interpretar tabelas, gráficos, quadros de horários, mapas... Para realizar essas formas de leitura, calcula-se que o indivíduo deva completar pelo menos oito anos de escolaridade.
Analfabetos ou iletrados funcionais são aqueles que alcançaram apenas uma alfabetização imperfeita ou rudimentar, insuficiente para dominar todo o universo simbólico que envolve o letramento pleno e para desempenhar as tarefas que a vida social e profissional exige. O mundo empresarial estabelece, atualmente, um limite mínimo de conclusão do ensino médio na seleção de trabalhadores. E calcula que a cada ano de escola a renda do trabalhador pode crescer 16%. Trabalhadores considerados analfabetos funcionais provocam perda de produtividade e o prejuízo pode chegar a US$6 bilhões/ano no Brasil.
Os inúmeros programas emergenciais de alfabetização em massa já tentados no Brasil não conseguiram sucesso. Na Constituição de 88 propugnava-se o fim do analfabetismo em 10 anos. O atual governo se propõe a alfabetizar vinte milhões de pessoas em quatro anos. Mas a alfabetização que não se completa, que atinge apenas níveis mínimos de decodificação, tende ao retrocesso total. Para que o processo se consolide de forma definitiva e irreversível, é necessário que o alfabetizado se transforme em leitor assíduo. E não se trata da escolha do método “ideal”, pois ele não existe. Trata-se do professor “ideal”: qualificado, autônomo, responsável, interessado, comprometido, decidido a “descobrir” o melhor caminho para aquele aluno e para aquela realidade.
No Brasil, inúmeras iniciativas ao longo das últimas décadas têm procurado chamar a atenção para a importância da democratização real da leitura. As grandes modificações pelas quais passou a sociedade brasileira nos últimos anos exigiram que os programas estímulo à leitura se transformassem. Foi necessário intensificar a atuação, tornando-a mais efetiva, para fazer frente aos apelos imediatos de um mundo cada vez mais seduzido pela imagem, pela comunicação rápida, pela velocidade, e ao mesmo tempo ampliar quantitativamente os esforços para incluir parcelas cada vez maiores da população, não só os segmentos do ensino regular, mas também os adultos. Há exércitos de voluntários anônimos dedicados a essa cruzada.
Nesse percurso, muitas vezes descontínuo e cheio de obstáculos, aprendemos que qualquer iniciativa em direção à consolidação da alfabetização e ao estímulo à leitura deve envolver diversos agentes e diferentes segmentos sociais: famílias, escolas, professores, bibliotecários, especialistas, pesquisadores, editores, autores, meios de comunicação, instituições governamentais e não-governamentais. Se queremos socializar o direito à leitura, como forma de conhecimento, interpretação e compreensão do mundo e do ser humano, é imprescindível uma articulação contínua, intensa e harmoniosa entre esses atores.
Isso porque o incentivo à leitura, já sabemos há muito tempo, depende de:
1) convívio contínuo com histórias, livros e leitores, desde a primeira infância;
2) valorização social da leitura pelo grupo social;
3) disponibilidade de acervo de qualidade e adequado aos interesses, horizontes de desejo e aos diferentes estágios de leitura dos usuários;
4) tempo para ler, sem interrupções, previsto e assegurado no planejamento do programa;
5) espaço físico agradável, confortável, estimulante e atrativo;
6) ambiente de segurança psicológica e de tolerância dos educadores em relação ao percurso individual de superação de dificuldades;
7) oportunidades para expressar, registrar e compartilhar interpretações e emoções vividas nas experiências de leitura;
8) acesso a orientação qualificada sobre por que ler, o que ler, como ler e quando ler.
O processo de formação de leitores autoconfiantes, seguros e competentes deve acontecer na comunidade, no grupo social, na empresa, na escola, na igreja, no partido, em todas as situações possíveis e de forma contínua.
Para aprofundar a reflexão relativa à natureza do ato de ler, é necessário considerar que se trata, simultaneamente, de uma experiência individual única e de uma experiência interpessoal profunda e intensa, um exercício dialógico ímpar, pois entre leitor e texto desencadeia-se um processo discursivo de decifração, interpretação, reflexão e reavaliação de conceitos absolutamente renovados a cada leitura.
Contribuir para a construção de leitores seguros, confiantes, competentes e autônomos é contribuir para a democratização do acesso a um dos instrumentos imprescindíveis para o exercício da cidadania.
Lucília Helena do Carmo Garcez

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013


O BLOG DESDE 2009 !!!

Visualizações de página por país

Gráfico dos países mais populares entre os visualizadores do blog
EntradaVisualizações de página
Estados Unidos


Visualizações de página por país

Gráfico dos países mais populares entre os visualizadores do blog
EntradaVisualizações de página
Estados Unidos
Reino Unido


Visualizações de página por país

Gráfico dos países mais populares entre os visualizadores do blog
EntradaVisualizações de página
Estados Unidos


Visualizações de página por país

Gráfico dos países mais populares entre os visualizadores do blog
EntradaVisualizações de página
Estados Unidos
Coreia do Sul